sexta-feira, 22 de maio de 2015

Médicos discutem insegurança para o exercício da profissão no RN



(Exercício da profissão)


O grande número de agressões a médicos, seja verbais ou físicas nas unidades públicas e privadas, provocadas pela alta demanda de pacientes em espera ou por falta de insumos está levando insegurança à categoria. Outro fator é violência nos locais de trabalho, muitas vezes em localidades onde a criminalidade é um fator de risco cada dia maior.


A insegurança no exercício da profissão médica foi discutida em uma reunião convocada pelo Conselho Regional de Medicina do Rio Grande do Norte – CREMERN, na tarde desta sexta-feira (22) na sede do Conselho, em Natal, com representantes do CREMERN, Dr. Marcos Lima de Freiras, presidente, e o assessor jurídico Klevelando Santos, do Sindicato dos Médicos do RN, Dra. Mônica Campos e da Associação Médica do RN, Dr. José Rosendo, além de representantes de hospitais públicos e privados, unidades de saúde e clínicas.  O objetivo maior da reunião, de acordo com o presidente do CREMERN, Marcos Lima de Freitas, é ouvir denúncias e sugestões para intensificar ações que tragam mais segurança para a classe medica e para a sociedade.

“O médico não é responsável pela falência da saúde no País”. Foi com essa frase que a representante do Sindicato dos Médicos do Rio Grande do Norte, Dra. Mônica Campos, definiu a atual situação que se encontra a classe média diante da insegurança que vive para exercer a profissão em hospitais e unidades de saúde da capital e do interior do Estado.

Durante a reunião foram feitas várias denúncias por médicos que atuam em instituições de saúde das redes públicas e privadas. Questões como: A falta de policiamento, atendimento a pacientes armados, problemas com usuários de drogas que a família quer manter internado, acusações inverídicas ao médico através das mídias sociais, ameaças recebidas de familiares de pacientes por falta de atendimento digno e falta de insumos, entre tantos outros problemas.

Para o presidente do CREMERN, Marcos Lima, a reunião foi muito proveitosa e com uma participação expressiva. “Colhemos propostas e a partir disso vamos colocar em prática que contribuam com a mudança desse quadro. Vamos acionar a segurança pública, acionar gestores públicos para que não obriguem médicos a trabalharem em situação de total insegurança. Vamos saber da Agencia Nacional de Saúde Suplementar se os planos de saúde vendidos aqui no Estado estão dentro da dimensão correta ou se existe umsuperdimensionamento, se venderam mais do que a cobertura que pode ser feita. Vamos acionar a Corregedoria da Polícia Militar solicitando que abram uma sindicância para avaliar o comportamento dos policiais que atenderam a ocorrência no Hospital Papi, na semana passada”, declarou Marcos Lima.

Governo prorroga vacinação contra a gripe até dia 5

A campanha de vacinação contra a gripe foi prorrogada até o dia 5 de junho em todo o país. A mudança foi anunciada pelo Ministério da Saúde hoje (22), data inicialmente prevista para o encerramento da campanha. Até o momento, 46,2% do público-alvo foi imunizado. O prolongamento tem como meta alcançar o índice de 80% de imunização.


O último balanço do ministério indica que, entre os grupos prioritários, as puérperas (mulheres até 45 dias após o parto) registram, até o momento, a maior cobertura (62,5%), seguidas pelos idosos (52%), pelas crianças com idade a partir de 6 meses a menores de 5 anos (45,1%); pelas gestantes (42,3%) e pelos trabalhadores da saúde (39,5%).

Entre os indígenas, a vacinação atingiu 35,1%. “Como a vacinação deste grupo é feita em áreas remotas, a atualização dos dados segue outra dinâmica”, informou o ministério. Além disso, foram aplicadas 3,5 milhões de doses em pessoas com algum tipo de doença grave, presos e em trabalhadores do sistema prisional.

A vacina protege contra os três subtipos do vírus da gripe determinados pela Organização Mundial de Saúde para este ano – A (H1N1), A (H3N2) e influenza B. O período de maior circulação da gripe no Hemisfério Sul vai do final de maio a agosto. Após a aplicação, o corpo leva de duas a três semanas para gerar a proteção contra a gripe.

Para receber a dose, é preciso levar o cartão de vacinação e um documento de identificação. Pessoas com doenças crônicas ou com outras condições clínicas especiais precisam apresentar uma prescrição médica, explicando o motivo da indicação da vacina. Pacientes cadastrados em programas de controle das doenças crônicas do Sistema Único de Saúde devem se dirigir aos postos em que estão registrados a fim de receber a dose, sem necessidade de prescrição médica.

Rio Grande do Norte ocupa 16ª posição no ranking de mortes por acidente de motocicletas

(Motocicletas)

Taxa de mortalidade no estado é de 8,0 para cada 100 mil habitantes. Nos últimos seis anos, acidentes com motos foram responsáveis pelo crescimento de 115% das internações hospitalares no SUS.

A cada ano, cerca de 45 mil pessoas perdem suas vidas em acidentes de trânsito no Brasil. A violência envolvendo particularmente motociclistas está se tornando uma epidemia no país. O Rio Grande do Norte ocupa a 16ª posição no ranking vítimas de acidentes com motocicletas, com taxa de mortalidade de 8,0 para cada 100 mil habitantes. Entre 2002 e 2012, este número cresceu 153,4% no estado. No Brasil, o índice é de 6,3 mortes por 100 mil habitantes.  Dados preliminares do Ministério da Saúde apontam que, em 2013, os acidentes com motos resultaram em 12.040 óbitos no país, o que corresponde a 28% dos mortos no transporte terrestre. No Rio Grande do Norte, foram 283 mortes em 2013.

Nos últimos seis anos, as internações hospitalares no Sistema Único de Saúde (SUS) envolvendo motociclistas tiveram um crescimento de 115% e o custo com o atendimento a esses pacientes de 170,8%. No Rio Grande do Norte, foram 1.547 internações em 2014, representando um gasto de R$ 2 milhões.

Diante desse cenário, o Ministério da Saúde está propondo uma série de ações intersetoriais, que deverão envolver outras esferas do Governo Federal, governos estaduais e municipais, para promoção de uma política específica de prevenção aos acidentes com motos. Nesta semana, o ministro da Saúde, Arthur Chioro, apresentou algumas das iniciativas em discussão durante a 68ª Assembleia Mundial da Saúde, em Genebra. “Não dá mais para não agir na dimensão preventiva dos acidentes com motos. É preciso propor novas medidas e elevar essa discussão a um problema de saúde pública. Algumas propostas em estudo são a obrigatoriedade de apresentação da habilitação no momento da compra da moto, por exemplo, e a possibilidade de financiamento do capacete como um EPI (Equipamento de Proteção Individual), possibilitando a venda do item de segurança junto do veículo”, exemplificou o ministro da Saúde, Arthur Chioro.

Em novembro, o Brasil sediará o 2º Road Safety, Conferência Global de Alto Nível sobre Segurança no Trânsito, com o objetivo de repactuar metas e traçar novas estratégias do governo e da sociedade para garantir a segurança da população e salvar milhões de vidas. “Uma constatação que observamos no Brasil, e que já vimos em outros lugares do mundo, é a redução do número de atropelamentos e acidentes de carro e o aumento de acidentes de motos. A moto está substituindo a bicicleta e o cavalo e também vem sendo utilizada como um instrumento de trabalho”, observou o ministro.

NÚMEROS – Segundo o Sistema de Informações sobre Mortalidade do Ministério da Saúde, o Brasil registrou 4.292 mortes de motociclistas em 2003, número 280% menor do que o registrado 10 anos depois (12.040). Parte do aumento de acidentes envolvendo motos se deve ao crescimento vertiginoso da frota no país. Entre 2003 e 2013, o número de motocicletas aumentou 247,1%, enquanto a população teve um crescimento de 11%.

De 2008 a 2013, o número de internações devido a acidentes de transporte terrestre aumentou 72,4%. Considerando apenas os acidentes envolvendo motociclistas, o índice chega a 115%. Em 2013, o SUS registrou 170.805 internações por acidentes de trânsito e R$ 231 milhões foram gastos no atendimento às vitimas. Desse total, 88.682 foram decorrentes de motos, o que gerou um custo ao SUS de R$ 114 milhões – crescimento de 170,8% em relação a 2008. Esse valor não inclui custos com reabilitação, medicação e o impacto em outras áreas da saúde.

PERFIL DAS VÍTIMAS – Segundo Sistema de Vigilância de Violências e Acidentes (VIVA 2011), que traça o perfil das vítimas de violências e acidentes atendidas em serviços de urgência e emergência do Sistema Único de Saúde em capitais brasileiras, 78,76% das vítimas de acidente de transporte terrestre envolvendo motociclista são homens, na faixa etária de 20 a 39 anos. Entre os motociclistas ouvidos, 19,6% informaram o uso de bebida alcoólica antes do acidente e 19,7% estavam sem capacete.

“Os acidentes pegam uma faixa etária delicada da população. Para um país que está envelhecendo, essas pessoas impactam muito, já que estão em sua idade produtiva. Esses acidentes interferem no sistema de saúde, na previdência, no trabalho e, principalmente, na vida pessoal do indivíduo”, lembrou o ministro.

Em 2010, o Ministério da Saúde implantou o Projeto Vida no Trânsito com o objetivo de reduzir os casos de mortes e feridos em decorrência de acidentes no trânsito. Entre as ações do projeto está a realização de campanhas educativas e a qualificação dos sistemas de informação sobre acidentes, feridos e vítimas fatais.

Com o banco de dados atualizado, os gestores de saúde podem identificar os fatores de risco e as vítimas mais vulneráveis nos respectivos municípios, assim como os locais onde o risco de acidente é maior. Desde a implantação do projeto, já foram liberados cerca de R$ 41,3 milhões para as atividades. Em 2012, o Ministério autorizou o repasse de R$ 12,8 milhões e, em 2013, foram repassados R$ 13,5 milhões para as capitais dos 26 estados e o Distrito Federal.

quarta-feira, 20 de maio de 2015

Governo assina convênio de inovação pedagógica

(Projeto educacional)

O governador Robinson Faria assinou nesta terça-feira (19) um convênio com 111 escolas estaduais para implantação de Projeto de Inovação Pedagógica-PIP, programa piloto desenvolvido pela Secretaria de Estado da Educação (Seec) com apoio do RN Sustentável. O investimento nesta ação é na ordem de R$ R$ 1.794.678,45 (um milhão, setecentos e noventa e quatro mil, seiscentos e setenta e oito reais e quarenta e cinco centavos), destinado aos caixas das escolas contempladas.
“Esse é um projeto audacioso, o Estado vai suprir financeiramente as escolas para que elas implementem um programa pedagógico adequado, fortalecendo e motivando o aluno cada vez mais”, disse o governador Robinson Faria que informou que esse é um empréstimo do Estado, junto ao Banco Mundial, que está sendo investido exclusivamente na Educação.
Ao todo, 223 escolas participaram da seleção. 126 escolas submeteram seus projetos para análise e dessas, 111 foram aprovadas de acordo com os critérios de elegibilidade constantes no Edital de seleção dos Projetos, para receber apoio técnico, pedagógico e financeiro. Os recursos que cada escola irá receber variam entre R$ 10 mil e R$ 25 mil reais.
Foto: Demis Roussos
Educação RN Sustentável_Demis Roussos (2)

domingo, 17 de maio de 2015

sábado, 16 de maio de 2015

Governo do Estado quer reduzir funções gratificadas da Educação

(Gestores Escolares)

Uma das quatro mensagens enviadas hoje (15) à Assembleia Legislativa do Rio Grande do Norte (ALRN) propõe reforma na Lei Complementar 504/2014, na parte que fixa a quantidade de funções gratificadas nos exercícios de diretor e vice-diretor das Escolas Estaduais. Com as alterações, as funções gratificadas para tais cargos serão proporcionais ao número de alunos matriculados em cada escola e terá como referência o Censo Escolar.
As gratificações serão pagas a partir de cinco referências a depender do porte das Escolas. Para aquelas que têm mais de 1200 alunos; seguida por escolas que têm entre 1199 a 488; depois, de 487 a 245; 244 alunos a 100 e, o último porte, as escolas que têm menos de 100 alunos. Os valores variam do maior para o menor entre R$ 1.562,50 a R$ 640,00 para diretores e de R$ 1.250,00 a R$ 640 para vice-diretores, sendo que as escolas que têm menos de 100 alunos não há função gratificada para vice-diretores.


De acordo com texto da mensagem, a supressão do tratamento utilizado no momento atual fere os princípios do Direito Administrativo aplicáveis à política de pessoal do serviço público.

Idoso com problemas de visão busca ajuda para voltar para Macaíba

Créditos: Sabrina Mathias




De acordo com a matéria publicada no dia 12/05/2015 por Sabrina Mathias no site Folha de Vilhena, o senhor Antônio da Silva Neto (71), está em busca de ajuda e de informações sobre sua família, que mora aqui em Macaíba, pois o mesmo é morador e natural da cidade.


"Há quase 4 meses residindo no Lar dos Idosos Maria Tereza da Lamarta em Vilhena, o senhor Antônio da Silva Neto, 71 anos, natural e morador da cidade de Macaíba, Rio Grande do Norte, veio para a cidade com a promessa de realizar um  tratamento de vista, porém, não conseguiu sequer sair de sua atual residência.

O senhor Antônio, há cerca de 2 anos atrás, conheceu um homem na Bolívia quando foi fazer seu primeiro tratamento de vista. De acordo com Antônio, este homem o tratou como se fosse da família e lhe ofereceu abrigo em Vilhena e condições para que ele pudesse realizar seu tratamento.


Via Anne Guimarães

Após esse período, no início deste ano, 2015, Antônio conseguiu finalmente vir a Vilhena para se tratar, mas chegando à cidade, o mesmo não teve mais informações sobre o paradeiro do homem que lhe havia feito às promessas. “Quando cheguei aqui me disseram que ele havia mudado, morrido, ninguém sabia de seu paradeiro. Eu não o encontrei”, diz.

O aposentado que muito já trabalhou, inclusive contribuiu para a construção de Vilhena, enxerga pouquíssimo e precisa muito realizar o tratamento, pois sua situação está se agravando e seu maior medo é perder o privilégio de ver.

Assim que chegou à cidade, disseram ao senhor Antônio que ele ficaria apenas 3 dias no Lar dos Idosos e que em seguida seria encaminhado à Bolívia para fazer uma cirurgia nos olhos, mas desde o dia 7 fevereiro, o aposentado está alojado e não tem contato com a família.

Os responsáveis pelo Lar dos Idosos não podem liberar o senhor Antônio sem ter a certeza do local para onde o mesmo será encaminhado. A política do Lar não permite que qualquer idoso saia da casa sozinho, pois correm o risco de sofrer algo que possa prejudicar sua saúde. Por esta razão é necessário que alguém se responsabilizasse pelo senhor Antônio, assinando um termo garantindo que pode acompanhá-lo e hospedá-lo durante o tratamento, então ele poderá ser liberado. O ideal seria que a família pudesse acompanhá-lo, já que a maioria das pessoas que fazem esse serviço cobram um alto custo.

A notícia chegou a nossa redação com o intuito de localizar a família do idoso, pois ele sente-se muito sozinho e abandonado. Se alguém tiver informações da família favor entrar em contato com o Lar dos Idosos. Sabe-se que o senhor Antônio tem uma filha chamada Adriana Mikely, e que a mesma é moradora de Anápolis em Goiás."

Quem obter informações pode entrar em contato com o Lar dos Idosos através do número (69) 3322-4700 ou com o site Folha de Vilhena: fv@folhadevilhena.com.br - telefones: 69 3322-8816 e 69 9957-2377.