terça-feira, 25 de novembro de 2014

Região da Grande Natal entre os piores IDHM

A Grande Natal tem o terceiro pior Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDHM) entre as 16 regiões metropolitanas pesquisadas pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud) no país. Empatada com Fortaleza, Natal teve o índice de 0.733, em uma escala de 0 a 1.

Mesmo com a posição baixa no ranking, a faixa de desenvolvimento da região metropolitana de Natal foi considerada alta pelo Pnud. O levantamento foi feito em 2010 e os dados vêm sendo divulgados desde o ano passado.
Arquivo TNIDHM da Grande Natal subiu entre 2000 e 2010, quando foram feitos os levantamentosIDHM da Grande Natal subiu entre 2000 e 2010, quando foram feitos os levantamentos

Comparando com os índices de 2000, primeira vez em que o levantamento foi feito, houve um aumento no IDHM da capital potiguar. Há 14 anos, Natal obteve a taxa de 0.625.

Com a aproximação do IDHM das regiões Norte e Nordeste do registrado no Sul, Sudeste e Centro-Oeste, o Pnud acredita que os dados mostram a redução das disparidades entre as regiões.

IDHM

O Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) foi desenvolvido para refletir as especificidades entre as cidades e regiões. A taxa varia de 1 a 0 e, quanto mais próximo de 1, melhor está o município. O índice leva em conta a renda per capita, educação e expectativa de vida.

Sorteio define confrontos do Campeonato Potiguar


Dez equipes irão competir no Estadual, que garante vagas para a Copa do Brasil, Copa do Nordeste e Série D do Campeonato Brasileiro.

Emanuel Amaral/TNDirigentes dos clubes potiguares participaram do sorteio na FNFDirigentes dos clubes potiguares participaram do sorteio na FNF

Confira a tabela completa do Estadual 2015


Rodada 1 - Domingo 25/01


Baraúnas x Globo
América x Potiguar
Alecrim x Corintians
Força e Luz x ABC
Palmeira x Santa Cruz

Rodada 2 - Quarta-feira 28/01


Potiguar x Força e Luz
ABC x Palmeira
Corintians x América
Santa Cruz x Baraúnas
Globo x Alecrim

Rodada 3 - Domingo 01/02


Alecrim x Potiguar
Baraúnas x América
ABC x Corintians
Globo x Santa Cruz
Palmeira x Força e Luz

Rodada 4 - Domingo 08/02


Santa Cruz x Corintians
Alecrim x ABC
América x Globo
Força e Luz x Baraúnas
Potiguar x Palmeira

Rodada 5 - Domingo 15/02

Potiguar x ABC
Corintians x Globo
Força e Luz x Santa Cruz
Alecrim x Baraúnas
América x Palmeira

Rodada 6 - Domingo 22/02

Santa Cruz x Alecrim
Globo x Força e Luz
Corintians x Palmeira
ABC x América
Potiguar x Baraúnas

Rodada 7 - Quarta-feira 25/02


Palmeira x Alecrim
Baraúnas x Corintians
América x Força e Luz
Globo x Potiguar
Santa Cruz x ABC

Rodada 8 - Domingo 01/03


América x Santa Cruz
Corintians x Potiguar
Força e Luz x Alecrim
Globo x Palmeira
Baraúnas x ABC

Rodada 9 - 08/03


Força e Luz x Corintians
Palmeira x Baraúnas
Potiguar x Santa Cruz
ABC x Globo
Alecrim x América

sábado, 22 de novembro de 2014

Pesquisa de nutrição conclui que mais carboidratos pela manhã ajuda a melhorar concentração

(UFRN)

A pesquisa conduzida pela estudante Helena Cristina Dantas, do curso de Nutrição da UFRN, conclui que uma maior quantidade de carboidratos consumidos no café da manhã pode aumentar a capacidade de concentração.


O estudo avaliou a influência dos nutrientes de diferentes desjejuns sobre o desempenho de universitários em Testes de Atenção Concentrada, exames que calculam a capacidade de uma pessoa em selecionar apenas uma fonte de informação, em um tempo predeterminado, diante de vários estímulos que tentam distraí-la.

Carboidratos ajudam na concentração
Os testes foram aplicados em 55 alunos, sempre às 7h , em diferentes estados de alimentação. Refeições de variadas cargas glicêmicas – quantidades de carboidratos –, compostas por alimentos que faziam parte dos hábitos dos voluntários, eram previamente pesadas e acondicionadas de forma individual.

Os resultados apontaram que, quanto maior a quantidade de carboidratos no café da manhã, melhor o desempenho obtido pelos estudantes. “A informação fornecida pelo trabalho, a meu ver, é bastante aplicável à nossa rotina”, observa Helena Cristina Dantas. “Em situações especiais, como antes de provas de concursos, o indivíduo pode consumir um desjejum de alta carga glicêmica, objetivando uma melhora nos processos de atenção concentrada durante a prova”, exemplifica.

As investigações foram desenvolvidas durante o Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) da estudante de Nutrição, no final de 2013, sob orientação da professora Ana Cecília Queiroz de Medeiros, da Faculdade de Ciências da Saúde do Trairi (Facisa), unidade da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) em Santa Cruz.

Prêmio Nacional

O trabalho foi um dos destaques da 4ª edição do Prêmio Henri Nestlé, em agosto deste ano, que condecora produções científicas brasileiras nas áreas de Ciência & Tecnologia de Alimentos, de Nutrição em Saúde Pública e de Nutrição Clínica, alcançando o 3º lugar

quinta-feira, 20 de novembro de 2014

CFM define fluxos e responsabilidades do Samu e outros serviços móveis de urgência e emergência

(RESOLUÇÃO 2110/2014)

 Foi publicada no Diário Oficial da União (DOU), nesta quarta-feira (19), a Resolução CFM nº 2.110/2014, que normatiza fluxos e responsabilidades dos serviços pré-hospitalares móveis de urgência e emergência, dentre eles os SAMUs que atendem os pacientes do Sistema Único de Saúde (SUS). A norma estabelece critérios que buscam trazer melhorias na assistência oferecida, beneficiando, sobretudo, os pacientes.

A nova norma do CFM dialoga com outras duas resoluções da autarquia, publicadas em setembro, que definiram fluxos e responsabilidades para o atendimento em urgências e emergências (UPAs e prontos-socorros). As Resoluções CFM 2.077 e 2.079 exigem dos gestores a garantia de leitos para receber pacientes que precisam de internação, regulamentam o funcionamento dos sistemas de classificação de risco e orientam os médicos ao um acompanhamento mais intenso da evolução dos pacientes graves dentro da rede pública.

Transporte de pacientes - Entre outros pontos, a Resolução 2.110/2014 destaca que os serviços pré-hospitalares móveis de urgência e emergência ligados ao SUS devem, obrigatoriamente, priorizar os atendimentos primários (em domicílio, ambiente público ou via pública) por ordem de complexidade e não a transferência de pacientes dentro da própria rede.

“O que vemos hoje são grande parte das ambulâncias realizando transporte de pacientes para hospitais. Não é atribuição das SAMUs levarem pacientes para realizarem exames complementares”, explicou o 1º vice-presidente do CFM e relator da Resolução, Mauro Britto Ribeiro. A tarefa de providenciar este tipo de transporte cabe aos gestores locais, sem, contudo, impedir o fluxo ou reter ambulâncias do SAMU, que devem, prioritariamente, se ocupar do atendimento de casos graves e de acidentados.

Retenção de macas – Outra questão que a Resolução CFM 2.110/2014 aborda é quanto as liberação de macas das ambulâncias do SAMU. As retenções desses equipamentos se repetem em vários hospitais pelo país, pois há uma grande quantidade de pacientes que não conseguem leitos ao chegar nas unidades de saúde. Com isso, os veículos ficam parados, na entrada das unidades aguardando a liberação, e ficam impedidos de atender outros chamados de urgência.

Segundo a nova norma do CFM, no caso de falta de macas - ou qualquer outra condição que impossibilite a liberação da equipe, dos equipamentos e da ambulância -, o médico plantonista responsável pelo setor de urgência deverá comunicar imediatamente o fato ao coordenador de fluxo ou diretor técnico do hospital. Para a autarquia, este profissional deverá tomar as providências imediatas para a liberação da equipe com a ambulância.
Vaga zero - A Resolução do CFM 2.110/2014 determina ainda que a chamada “vaga zero” seja prerrogativa e responsabilidade exclusiva do médico regulador de urgências. Para O CFM, o recurso é essencial para garantir acesso imediato aos pacientes com risco de morte ou sofrimento intenso, mas deve ser considerada como situação de exceção e não uma prática cotidiana na atenção às urgências.

Pela regra do CFM, o médico regulador no caso de utilizar o recurso vaga zero, deverá, obrigatoriamente, fazer contato telefônico com o médico que receberá o paciente no hospital de referência, detalhando o quadro clínico e justificando o encaminhamento. Por sua vez, se a unidade enfrentar o problema de superlotação, o seu responsável deverá comunicar o fato aos responsáveis pela gestão para que seja encontrada uma solução, conforme previsto nas Resoluções CFM nº 2.077 e nº 2.079.

Serviço médico - A norma afirma também que o sistema de atendimento pré-hospitalar móvel de urgência e emergência é um serviço médico e, portanto, sua coordenação, regulação e supervisão direta e a distância deve ser efetuada por um médico, com ações que possibilitem a realização de diagnóstico imediato nos agravos ocorridos, com a consequente terapêutica.

Assim, de acordo com a Resolução 2.110, todo o serviço de atendimento pré-hospitalar móvel passa a ter a obrigatoriedade de um diretor clínico e diretor técnico, ambos com registro no Conselho Regional de Medicina (CRM) da Jurisdição onde se localiza o serviço, os quais responderão pelas ocorrências de acordo com as normas legais vigentes.

Crise perversa - Na opinião do relator Mauro Britto Ribeiro, o Serviço de Atendimento Móvel de Urgència “é um dos programas mais importantes e relevantes para a saúde pública já criados no Brasil”. Segundo o conselheiro, após sua entrada em  funcionamento “´pacientes que antes morriam em suas residências ou vias públicas passaram a chegar aos hospitais e prontos-socorros com vida”.

 Contudo, Mauro Ribeiro salienta que o “SAMU se encontra precarizado, com falta de condições estruturais, de equipamentos e de recursos humanos que permitam que cumpra seu papel de forma efetiva. É responsabilidade dos gestores tomarem providências para que este projeto continue a salvar vidas”.  Com a Resolução nº 2.110, o CFM quer contribuir apontando possíveis soluções para o aperfeiçoamento do atual modelo.
 “Mais do que uma norma ética, este documento do CFM, assim como outros, é um instrumento de defesa da assistência e de proteção do médico. Com ele, o profissional se resguarda, ao apontar aos gestores as dificuldades e os limites do atendimento”, disse o conselheiro Mauro Ribeiro, pois, segundo o texto da Resolução CFM 2.110/2014, as más condições de trabalho do médico no serviço pré-hospitalar móvel de urgência podem comprometer a capacidade dos médicos e das equipes de fazerem o melhor pelo paciente.

Conheça os destaques da Resolução CFM 2.110/2014
Atendimento primário - O serviço pré-hospitalar móvel de urgência e emergência deve, obrigatoriamente, priorizar os atendimentos primários em domicílio, ambiente público ou via pública, por ordem de complexidade, e não a transferência de pacientes na rede.

Serviço privado - A responsabilidade da transferência de pacientes na rede privada é de competência das instituições ou operadoras dos planos de saúde, devendo as mesmas oferecer as condições ideais para a remoção.
Jornada de trabalho - Recomenda-se que, para o médico regulador quando em jornada de 12 horas de plantão, deverá ser observada uma hora de descanso remunerado para cada cinco horas de trabalho.
Prerrogativa médica - Vaga zero é prerrogativa e responsabilidade exclusiva do médico regulador de urgências, e este é um recurso essencial para garantir acesso imediato aos pacientes com risco de morte ou sofrimento intenso, devendo ser considerada como situação de exceção e não uma prática cotidiana na atenção às urgências.
Atendimento - É de responsabilidade do médico receptor da unidade de saúde que faz o primeiro atendimento a paciente grave na sala de reanimação liberar a ambulância e a equipe, juntamente com seus equipamentos, que não poderão ficar retidos em nenhuma hipótese.
Óbito - O médico intervencionista, quando acionado em situação de óbito não assistido, deverá obrigatoriamente constatá-lo, mas não atestá-lo. Neste caso, deverá comunicar o fato ao médico regulador, que acionará as policias civil, militar ou o Serviço de Verificação de Óbito para que tomem as providências legais. Paciente com morte natural assistida pelo médico intervencionista deverá ter o atestado de óbito fornecido pelo mesmo, desde que tenha a causa mortis definida

sábado, 8 de novembro de 2014

Dia D marca início de Campanha Nacional de Vacinação contra paralisia infantil e sarampo

(VACINAÇÃO)
Estimativa é de que 12 milhões de crianças sejam vacinadas em todo o país. A campanha será realizada até o dia 28 de novembro em mais de 100 mil pontos de vacinação do SUS
O Dia D de mobilização para a vacinação contra a paralisia infantil e o sarampo, que será realizado neste sábado (08), marcará o início da Campanha Nacional de Vacinação. O ministro da Saúde, Arthur Chioro, participará da ação na unidade de saúde Gothardo Peixoto Figueiredo Lima, no Bairro Damas, em Fortaleza (CE). A mobilização será realizada em mais de 100 mil pontos de vacinação em todo o país. Haverá, ainda, um novo Dia D, em 22 de novembro, com o objetivo de reforçar o alcance da campanha. A expectativa é de que mais de 12 milhões de crianças sejam vacinadas até o dia 28 de novembro.

Confira a matéria na Web Rádio Saúde

A campanha, que tem como objetivo manter a erradicação da poliomielite e garantir a eliminação do sarampo no Brasil, contará com a participação de mais de 350 mil profissionais de saúde. Além disso, estarão disponíveis 42 mil veículos terrestres, marítimos e fluviais, para garantir a vacinação aos locais de difícil acesso. Para garantir que o esquema básico seja  cumprido, as vacinas contra a poliomielite, o sarampo, rubéola e caxumba continuam disponíveis durante todo o ano nos postos de saúde do Sistema Único de Saúde.

“Neste sábado, realizaremos o Dia D da campanha de vacinação contra a poliomielite e contra o sarampo. Levem seus filhos para se vacinar em um posto de saúde para se proteger contra essas duas doenças já eliminadas do Brasil. Precisamos desse reforço para que elas não voltem a circular no país e a causar mortes e sofrimento a nossas crianças”, reforça o ministro da Saúde, Arthur Chioro.

A vacinação contra a poliomielite será destinada a crianças entre seis meses e cinco anos de idade incompletos. A medida tem como objetivo manter a erradicação da doença no Brasil, que não apresenta casos de poliomielite desde 1990. Para isso, o Ministério disponibilizará mais de 17,8 milhões de doses da VOP (Vacina Oral Poliomielite) durante a campanha. A meta é vacinar pelo menos 95% do público alvo, cerca de 12 milhões de crianças.

A recomendação do Ministério da Saúde é de que todas as crianças na faixa etária da campanha sejam vacinadas, pois a VOP vale tanto para colocar em dia a vacinação atrasada como para reforço de quem está com o calendário em dia. A VIP (Vacina Inativada Poliomielite),  utilizada no início de esquema de vacinação, também estará disponível para crianças com o calendário atrasado, ou seja, que não iniciaram o esquema de vacinação com as duas primeiras doses injetáveis, aos dois e quatro meses de idade.

“A poliomielite é uma doença que precisamos manter erradicada no nosso país, até porque ela ainda continua existindo em alguns poucos países da África e da Ásia. Portanto, ainda não podemos suspender, em definitivo, a vacinação. Ou seja, só podemos prevenir a paralisia infantil se nós conseguirmos atingir uma meta de mais de 95% das crianças que tenham entre seis meses de idade e cinco anos, ou que ainda não completaram cinco anos, que tomarão a vacina com a gotinha”, alerta o ministro Chioro.

Em relação ao sarampo, a recomendação é que sejam vacinadas crianças entre um e cinco anos de idade (incompletos). A meta é atingir ao menos 95% do público alvo, cerca de 10,3 milhões de crianças. Para isso, o Ministério da Saúde distribuirá mais de 11,8 milhões de doses da vacina tríplice viral, que além de imunizar contra o sarampo, também garante a proteção contra a rubéola e a caxumba.

Todos os estados e o Distrito Federal participarão da campanha de seguimento contra o sarampo. No estado do Ceará e em alguns municípios de Pernambuco, a vacinação foi antecipada a fim de interromper a cadeia de transmissão do vírus, devido ao registro de casos da doença em 2013 e 2014. Vale destacar que, apesar dos registros da doença nesses dois estados, todos os casos foram importados ou relacionados à importação, e o Brasil ainda é considerado livre do sarampo. No entanto, as crianças entre seis meses e cinco anos de idade incompletos que residem nesses estados devem comparecer aos postos de saúde para receberem a vacina contra poliomielite e atualizar a caderneta de vacinação para o sarampo, caso estejam em atraso.

POLIOMIELITE – A poliomielite é uma doença infectocontagiosa grave e a única forma de prevenção é por meio da vacinação. Na maioria dos casos, a criança não vai a óbito quando infectada, mas adquire sérias lesões que afetam o sistema nervoso, provocando paralisia irreversível, principalmente nos membros inferiores. A doença é causada pelo poliovírus e a infecção se dá, principalmente, por via oral. 

Embora, atualmente, o Brasil esteja livre da paralisia infantil, é fundamental a continuidade das campanhas de vacinação, para evitar a reintrodução do vírus no país. De acordo com dados da Organização Mundial de Saúde (OMS), 10 países registraram casos de poliomielite em 2013 e 2014, sendo que três deles são considerados endêmicos (Paquistão, Nigéria e Afeganistão).

SARAMPO –  O sarampo é uma doença viral aguda grave e altamente contagiosa. Os sintomas mais comuns são febre alta, tosse, manchas avermelhadas, coriza e conjuntivite. A transmissão ocorre de pessoa a pessoa, por meio de secreções expelidas pelo doente ao tossir, falar ou respirar. As complicações infecciosas contribuem para a gravidade do sarampo, particularmente em crianças desnutridas e menores de um ano de idade. A única forma de prevenção também é por meio da vacina.

Os últimos registros de contágio autóctone de sarampo no Brasil ocorreram em 2000. Em 2013 e 2014, foram registrados casos importados ou relacionados à importação, com concentração nos estados de Pernambuco e Ceará. No mundo, em 2014, foram registrados 160 mil casos da doença, de acordo com a OMS. Cabe ressaltar que, com o fluxo de turismo e comércio entre os países, o risco de importação do vírus é maior.

CAMPANHA - A campanha publicitária de 2014, além do personagem Zé Gotinha, traz referências de outros personagens conhecidos do público infantil, com o objetivo permitir maior identificação das crianças na hora da vacinação. Foram escolhidos os Minions e a Peppa Pig, além dos mangás, as histórias em quadrinhos de origem japonesa. A campanha já está em divulgação no rádio, televisão, internet, cartazes e também em Digital Out Of Home (DOOH - vídeos utilizados em elevadores, aeroportos e ônibus).

Em novembro, o Ministério da Saúde disponibilizou  a atualização do aplicativo gratuito Vacinação em Dia para tablets e smartphones, lançado em 2013. A ferramenta é uma forma fácil, moderna e ágil de acompanhar o calendário vacinal. Na nova versão já estão disponíveis todas as vacinas ofertadas pelo SUS e o usuário poderá cadastrar até 10 carteiras de vacinação. A partir da inserção da primeira vacina no calendário, o aplicativo calcula quando o usuário deve comparecer novamente para atualizar o esquema vacinal e envia um lembrete por mensagem. A atualização no Android, versão 2.2.3 ou superior, já está disponível no Google Play e no IOS, versão 7 ou superior.

terça-feira, 4 de novembro de 2014

Primeiro turno: Câmara dos Deputado aprova PEC sobre repasse do FPM

(FPM)

O Plenário da Câmara dos Deputados aprovou, em primeiro turno, por 368 votos, a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 426/14, do Senado, que aumenta em um ponto percentual o repasse de recursos de impostos federais ao Fundo de Participação dos Municípios (FPM).


De acordo com a proposta aprovada, em julho de 2015 passa a vigorar metade no novo repasse e, em julho de 2016, a outra metade será acrescida. A matéria precisa passar ainda por um segundo turno de votação.

A Constituição determina que a União repasse ao FPM um total de 23,5% do produto líquido da arrecadação do Imposto de Renda (IR) e do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI). Com a PEC, o total passa a 24,5%.

Empresas podem agendar enquadramento ao Simpes


Desde ontem, 3 de novembro, as micro e pequenas empresas que desejam ser incluídas no Simples Nacional em 2015 podem agendar o enquadramento no regime simplificado de tributação. O prazo acaba em 30 de dezembro. O agendamento pode ser feito pelo site da Receita Federal.


O processo de agendamento tem como objetivo facilitar o ingresso no sistema de tributação diferenciado, pois permite a verificação prévia de pendências jurídicas e fiscais que podem interferir na concessão do imposto. Para realizar o procedimento, basta que o empresário acesse o link “Agendamento” da Opção “Pelo Simples Nacional” no site. Não existindo pendências, a solicitação da opção para 2015 estará confirmada e o registro será gerado no dia 1º de janeiro.

Se houver pendências, o pedido será indeferido, mas a empresa pode resolvê-las e, após isso, cadastrar novo agendamento. As pendências mais comuns são relativas à existência de débitos tributários com os fiscos federal, estaduais, municipais e do Distrito Federal.

A empresa que não fizer o agendamento ou que não conseguir resolver as pendências no prazo pode fazer a opção normal pelo Simples Nacional em janeiro de 2015.  Os prazos de agendamento e de pedido de adesão não são válidos para empresas recém-criadas, que têm até 30 dias depois da liberação do Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica (CNPJ) para aderir ao programa.

Quem quiser desistir do regime de tributação simplificado pode fazê-lo a qualquer momento, no entanto, se for para o mesmo ano é necessário que o desenquadramento seja solicitado em janeiro, caso contrário, a desvinculação só valerá para o ano seguinte.Atualmente, negócios com faturamento anual de até R$ 3,6 milhões podem ser enquadrar no Simples, regime especial que chega a reduzir em até 40% a carga tributária para o empreendedor.

Simulador
Para ajudar a verificar se vale a pena migrar para o Simples, optar pelo lucro presumido ou lucro real, o Sebrae no Rio Grande do Norte vai disponibilizar um simulador durante a Feira do Empreendedor, que será realizada entre os dias 12 e 15 de novembro, na Arena das Dunas.

A ferramenta indica se é vantajoso ou não optar pelo Simples e ainda estima quanto o empresário irá pagar de imposto em cada uma das três situações.

“Após a o evento, vamos deixar a ferramenta na web, no site do Sebrae-RN,  à disposição do empreendedor. Mas é bom que o candidato, ao fazer essa simulação, tenha o suporte de um técnico do Sebrae que o ajude a dirimir possíveis dúvidas”, recomenda o gerente da Unidade de Orientação Empresarial do Sebrae-RN, Edwin Aldrin da Silva. Segundo o executivo, mesmo que a tabela com os valores do Simples seja alterada, como propõe o ministro, o simulador está sendo desenvolvido para atualizar o teto num prazo de 48 horas. 

O Simples
O Simples é um regime tributário diferenciado, simplificado que abrange IRPJ, CSLL, PIS/Pasep, Cofins, IPI, ICMS, ISS e a Contribuição para Seguridade Social destinada à Previdência Social da pessoa jurídica. Por meio do regime, os oito impostos são recolhidos em um único boleto e a carga tributária é reduzida. O limite de faturamento para se enquadrar no regime poderá ser ampliado de R$ 3,6 milhões para R$ 7,2 milhões. A proposta de ampliação faz parte de estudo que a Secretaria Especial da Micro e Pequena Empresa da Presidência da República vai apresentar à presidente Dilma Rousseff.

*Com informações da Agência Sebrae RN.